“BULLYNG NO ÉTER” #blocodenotasamareloocucajackson

Deixe um comentário

26/01/2017″Bullyng no éter”

Bulinando enter éter eu nasci estrupando aquário.

Fora de cultura sem falaciar a culpa de nascer mil anos antes do previsto.

Só pra ajudar minha singela humanidade.

Sociedades, cidades, estados e bairros. Todos sendo enfim consumidos pelos próprios olhos. Eu vejo. Entrando enfim em fantasias dos sons propagados pelo pseudo rancor de se sentir reencarnado.

Errei nove vezes, nine, na terra. Abortar missão 9 vezes soldado. Cansei. E agora já cumpri meus 525 anos de luta.

Porém dessa vez consolidei estar feliz. Saí da grande depressão e peguei logo um giz. Mas não que quis ser educador até então. 

Respeito os calcúlos de limites na interferência com as crianças. Respeito muito as crianças! E não me narcizo esquizo disso. Me atentei as maldades dos tempos de infãncia minha. Eu via as meninas da quarta série namorando os malucos mais velhos. Via os muleque da minha idade jogando bola de chinelo. E via também as malícias masculinas dos professores com a galera. Eu via, nunca dedurei. Não vou ser juiz ou doutor por isso. Sem contato aqui com ordem negativa alheia. Eu prefiro pular de cabeça em um abismo, do que, me fazer de simpático e educado pra ser aceito em algum ambiente. Me chega dor no meu pulmão em desgosto dessa doença falsidade. Me deixem longe disso tu que julga judas. Vocês são um pé no chato! 

E fico na premissa do que sinto e sempre digo em todos os ambientes em que me passos. Bulinando o éter enter até de saturno pra achar o segredo do dumbo.

Vou quiéto bulinando feito menina tímida inteligente que nasceu sabendo o poder que temos nos ventres. 

Since 1989 DC

“Levanto essa causa” #blocodenotasvermelhoocucajackson

Deixe um comentário

Algumas vezes eu sinto um fardo de não me encaixar no seu mundo. 

Sei bem que o “eles” foi eu + você que se fez, mas tenho me sentido usado pela sociedade que criei, e agora prefiro ficar sozinho no mundo só meu. 

Esse meu mundo tambem se fez em caminhos meus de ilusão, desde criança eu preferia então pensar que estava sendo observado por alguém. As vezes até tímido no palco da vida em que meus fantasmas carmicos me traziam comida. 

“Ficai onde estais” era a base dos concelhos dos meus antigos professores de prometeus. 

Eu levanto apenas a bandeira de que: nós, que sintimos que somos sós, e o mundo, podemos respeitar quem prefere conhecer tudo e todos lugares sem interferir em nada no universo paralelo em que as palavras se corromperam. 

Então iremos além enfim todos assim, que querem apenas na lendária da humanidade passar. Mesmo sabendo que tudo aqui no material é criacao de alienígenas. Os que nasceram da terra ja foram consumidos pela própria natureza animal. Depois, pois bem alteracões genéticas nos primatas pra continuar o novo imperio laboratorial na planeta aquático.

Enfim por aqui agora, um paralelo urbano se fez com mic e tinta nas paredes, muita arte. E elevação nas percepções sensoriais das quebradas. Crianças de vila transmutando o amor próprio.

Nos somos uma tribo de almas que desejam e degustam a paz em cada mente consciente. Já que a realidade compartilhada em nós parece de vez uma matrix-prizão astral, que sejamos realmente menos mal nos próprios ditos desejos nos pensamentos. Talvez floresça uma solução/cura/auxilio/ajuda para tantas e precoces disilusões com os sentimentos.

Meu amor é profundo fora da carne e mesmo assim algumas vezes eu sinto um fardo que não é meu. Talvez, se for meu, levarei a questão primeiro pra rua, depois me acalmo na responsa de criar algo melhor no mundo meu.

-nota mental de hoje

@ocucajackson